Tuesday, 23 February 2021 21:40

Maserati celebra o A6G 2000

Written by

É partindo das suas raízes que a Maserati faz os seus planos e se projeta no futuro: os valores da exclusividade, do design único e do ADN 100% italiano, dos automóveis do passado, são renovados hoje, em modelos que marcam a Nova Era da marca do Tridente. É com este espírito que a Maserati celebra o 70º aniversário do A6G 2000.

O primeiro A6G 2000, modelo representante da série A6, fabricada pela Maserati de 1947 a 1956, e batizado em homenagem a Alfieri Maserati (daí a letra A), com o 6 a indicar o tipo de motor utilizado (6 cilindros em linha), foi entregue há exatamente 70 anos, em fevereiro de 1951.

O novo modelo era o substituto do desportivo da série A6 1500, e o seu nome aludia, ainda, ao ferro fundido (ou “ghisa”) utilizado na construção da sua cambota (o que explica o “G”), e à capacidade do motor, de 2000 cc.

A necessidade de aumentar a potência, em resposta a tendência geral do mercado italiano da época, que exigia automóveis com performances mais elevadas, em parte como resultado das melhoradas condições económicas do país, levou a Maserati a converter o motor de 2,0 litros do A6GCS para explorar em pleno o potencial do chassis do A6.

O incremento da cilindrada, por comparação com a do anterior modelo A6, foi alcançado através de um trabalho de precisão, em termos de engenharia, realizado ao nível do diâmetro e do curso do seis cilindros em linha. O melhorado motor, com uma capacidade de 1954,3 cc, alcançava uma potência de 90 cv a 100 cv, dependendo da configuração final, permitindo alcançar uma velocidade máxima de 180 km/h, uma clara afirmação ao mundo da qualidade das produções Maserati e do seu espírito desportivo.

O Salão Automóvel de Turim de 1950 serviu de pano de fundo para o impressionante lançamento do A6G 2000, que a Maserati apresentou em duas versões: uma berlina de quatro lugares e duas portas, assinada pela Pininfarina, e um descapotável desenhado por Pietro Frua.

Dezasseis destes automóveis foram montados entre 1950 e 1951: nove carroçados pela Pininfarina, e cinco descapotáveis e um coupé por Pietro Frua. A Alfredo Vignale deve-se, por seu turno, a elaboração de um só exemplar, um A6G 2000 coupé bicolor, com os seus típicos atributos estilísticos desportivos.

A tração traseira, uma caixa de velocidades com quatro relações e marcha-atrás, e uma embraiagem a seco de disco único completavam os predicados do novo A6G 2000, juntamente com a suspensão dianteira de rodas independentes, e uma suspensão traseira por eixo rígido com molas de lâminas. Os travões de tambor às quatro rodas de operação hidráulica, e as jantes de aço sólidas ou com braços completavam a cuidadosamente escolhida combinação de manufatura e inovação tecnológica, que impôs este automóvel, construído apenas para uns quantos afortunados, um ícone do panorama automobilístico do seu tempo.

Unicidade, desportividade e Made in Italy são elementos vitais do AND da Maserati, e ainda hoje evidentes nos novos modelos que caraterizarão os anos vindouros, dotados de soluções tecnológicas de vanguarda.

Inovadora por natureza, a Maserati planeia o futuro mantendo-se fiel ao seu passado.