Thursday, 10 December 2020 21:59

“Quo vadis” Campeonato de Clássicos 1300?

Written by

A bruma da memória das provas organizadas pela Associação Nacional de Pilotos de Automóveis Clássicos (ANPAC) revela-nos dias de glória da classe 1300 dos Clássicos.

Grelhas cheias, provas disputadas ao centímetro, lutas porta com porta, diversidade de carros com presenças de modelos pouco comuns nas estradas nacionais.

A ANPAC tem desenvolvido o seu trabalho no sentido de manter viva a competição disputada com viaturas clássicas, tendo mesmo tomado nas suas mãos a sobrevivência da velocidade nacional.

Apesar das gordas listas de inscritos para as provas de Clássicos, a ANPAC foi assistindo à erosão dos Clássicos 1300 que acabou por afunilar as possibilidades de competição até à inevitável junção dos espectaculares e vivaços 1300 com os mais poderosos Clássicos.

A pandemia de Covid-19 trouxe perturbação à temporada de 2020 e a ANPAC, prudentemente, colocou o foco no rearranjo do calendário de forma a proporcionar aos pilotos dos Clássicos, Clássicos 1300, e Legends, uma temporada minimamente competitiva e digna dos pergaminhos da ANPAC.

Cumprida com sucesso essa missão, a ANPAC debruçou-se sobre o estado das diversas categorias que supervisiona e voltou a identificar problemas graves nos Clássicos 1300. A situação caiu num círculo vicioso que não é bom para ninguém e merece ser analisado com o carinho que uma categoria, que tem tudo para ser estrela, merece.

A ANPAC pretende parar esse círculo vicioso e torná-lo num círculo virtuoso, oferecendo soluções para que a pujança anterior dos Clássicos 1300 exibiram possa regressar.

Naturalmente que a ANPAC, no seu registo corporativo e associativista, quer desenhar soluções e desbravar caminhos com os seus associados antes de lavrar qualquer regulamentação desportiva diferente da existente e entregar na sede própria, a Federação Portuguesa de Automobilismo e Karting (FPAK).

A ANPAC não pode aceitar listas de inscritos para provas dos Clássicos 1300 com apenas dois participantes. São importantes, sem dúvida, mas assim não há quórum para poder fazer uma corrida separada em alguns eventos dignos da categoria.

A preocupação com os Clássicos 1300 é premente, mas a ANPAC também quer revitalizar as classes de cilindradas mais baixas dos Legends, Legends 1300 e FEUP.

Para lá de querer lançar a discussão sobre a forma de revitalizar as grelhas de partida dos Clássicos 1300 e dos Legends 1300 e FEUP, a ANPAC pretende apresentar algumas alterações no regulamento desportivo para 2021, nomeadamente, com o alargamento da Classe Especial dos Legends a carros usados em troféus realizados em Portugal posteriores a 1999, carros esses que não são muito bem vistos no actual enquadramento do Open de Portugal de Velocidade.

A certeza maior da ANPAC é que passado este ano conturbado pela pandemia de Covid-19, as competições de 2021 terão de ser melhores e para isso temos de ter o contributo dos associados e dos pilotos na busca das melhores soluções para que a base da Velocidade nacional seja mais forte e reconhecida.

Obrigado!

ANPAC